quinta-feira, 10 de agosto de 2017

SONHO DE COR PÚRPURA


Entre tantos olhos e sorrisos
Perdi-me na solidão das sombras
Procurei uma boia num poço de silêncio
De pupilas secas e ardentes vi a doçura do teu rosto
Rezei sem fé no sol posto
Sem uma voz, um amigo que nascesse num desconhecido
Sem asas numa ilha aparecida em flor
Num verde em constante metamorfose
Este pensamento de madeira crua por pintar
Esta solidão apenas por ainda te amar
Grito de pássaro num ninho sem maçãs maduras
Cinco dedos apertando o instinto crispado
Um poeta passa sempre e morre vivendo
Na sua voz calada ama
Uma mulher imensa que dentro dele nunca se apaga
E esqueço, tudo esqueço levando à testa as mãos
Uma caricia sem sede
Um caminhar sem medo
Uma alma solta do degredo
Um piano enquanto escrevo
Uma emoção, a palavra que abre o coração
Uma flor ou a cor das falas
O fogo consumidor dos dias vazios
A viagem de sete rios
A vertigem de uma emoção que nunca para
num
SONHO DE COR PÚRPURA



quinta-feira, 27 de julho de 2017

NEM TODOS OS ANJOS VOAM



Para e vai ver o mar
Na sensatez do prudente silêncio
Ouve o rumor das via jeiras ondas
Secretamente em segredo
Sou uma silhueta nas sombras
Num mundo sem noite
Imagina-me tentando impossíveis
Para transformar o amor
Tão imutável como o mar
Concede-me a tua glória
Nasce nos meus olhos ceifados
Nasci com os braços do tamanho suficiente
Para te abraçar
É no estio que o coração bate certo
Nesta ilha do tudo tão perto
Tão longe...
Como um barco que foge á vista
Como os pássaros voando na noite profunda
Contemos ao mundo
Levemos em conta todas as distâncias
Choramos porque sabemos
O regresso possível
Sabemos que todas as manhãs os pássaros o canto entoam
Sabemos que o caminho sem sempre tem o mapa do destino
E que...NEM TODOS OS ANJOS VOAM...


quinta-feira, 20 de julho de 2017

A CATEDRAL DO MAR


A palavra beijando o papel branco
Nem sempre há luz para o inicio dos gestos
Nunca é tarde para amar-te
Enquanto meus pés comerem a distância a Ti...
Um corpo cansado, o suor da lágrima
Uma oração, acesa chama
Os invasores do verde, a pele tenra da ilha
O despertar das hortênsias
O rumor das buganvílias
Uma criança que vem ao mundo com as mãos vivas
Cheirando a mar, a peixe a terra
Árvores infinitas beijando o céu
Uma noiva feliz retirando o véu
Abençoados sejam os justos
A ultima vez de chorar
A primeira vez de orar para te chamar
Já pedi ao coração:
Não me deixes aqui compondo a solidão
Levem-me pelos prados numa correria louca
Pelas manhãs de águas mansas e flores eternas
Para longe da minha distância comigo dentro de mim
“ Nunca quis desenhar um fim”
Num verbo de montanhas componho o meu amar
Dá-me o teu corpo, o teu coração a tua paixão
Dá-me a tua mão e faz comigo um pacto
Na Catedral do Mar...

quinta-feira, 13 de julho de 2017

EM BUSCA DO TEMPO PERDIDO



(IMORTAL)

Rente á pele o amor, a voz do sol
O azul do mar pintando uma praia deserta e inocente
Rente ao poeta, os dedos cansados
O sono infinito dos canteiros de esperança
Estou cansado!
Do inverno e dos espinhos, das danças macabras
Dos pés descalços e das falas sem sentido
Do corpo sem cor, do chão de pedra dura
Dos calendários de vida que tardam ser inventados
De ser ilha, um homem selvagem, julgado impuro
Vogam no mar meus sonhos ao ritmo da chuva
Riram-se as sereias de alma feia
As baleias no mar azul nadando para sul
Um par de cavalos maninhos dando pinotes
Uma andorinha do mar numa dança de amor
Porque no mar a poesia é flor
Porque é madrugada e sinto
Se disser que não sei amar é porque minto
Vieram de mim os cânticos das igrejas
As orações de desespero, o arrastar dos bancos
O gosto a hortelã, da madeira
Mas, reacendeu-se a candeia anunciando a minha voz
Embarquei numa casca de noz
Refletida em meu grito, reproduzida dentro de mim
Porque nesta vida me perdi de ti...
Serei pois estrangeiro neste corpo meu
Montei um choro
Como se de uma peça de teatro se tratasse
Deixei cair o pano de raivas e o sentimento escondido
Vi o teu sorriso, mãos em aplauso
...Em busca do tempo perdido...







quinta-feira, 6 de julho de 2017

CONCEDE-ME UM INSTANTE NO TEMPO


Um instante de água fresca
Penso numa ilha de dor, magoada por viver junto ao mar
No alto sobrevoam os anjos tocando a terra que respira
Penso-te, numa muda sinfonia de gestos
Em longos sóis, longos dias
Abri os olhos pela primeira vez, nasci no mar
Vivi numa gruta adornada por búzios quietos
Vesti roupas de espuma e bebi a nostalgia
Naveguei numa terra verde e nela aprendi o amar
Senti crescerem as minhas mãos
Afoguei muita esperança já morta
Passei a conviver com sereias e ninfas
Espalhei meus sonhos pelas asas de uma gaivota
E vim...
Por dentro vim nu
Por dentro, não pensei vestir-me nesta viagem
Com a pele húmida das sagradas montanhas da minha terra
Este coração que sente o amor como santa guerra
Enquanto as manhãs crescem e são tardes e noites
“Mas sei dizer amo-te”
Sinto-te e vejo-te como singela flor do campo
Este homem é uma gota de vinho verde num cálice de azul intenso
Que pede: “Concede-me um instante no tempo”




sexta-feira, 30 de junho de 2017

O JARDIM DOS SEIS SENTIDOS


Acordei com o aroma das flores da ilha
Respirei nas sombras musicais
Desenhando corpos na luz da enigmática aurora
Como se abrisse uma passagem secreta para um mundo de coisas simples
Na composição perene da tua alma
No sorriso dos invisíveis habitantes da Lua
Contigo num vale vestido de verde protegendo o amor
Escrevendo as recusas que ninguém mais tem
Esculpindo o Sol com as pontas dos dedos
Afugentando a dor
A duvida é saber onde procura a sina distante
Ouvi num instante de pele o teu coração chegar
Sabes?!
Sem ti, sou um poeta vagabundo, na fronteira entre o mar e o mundo
Cantando num jardim a Lua prateada
Sem ti, sou apenas a hesitação do olhar de um girassol
No apagar da chama que brilha e divaga
Talvez um construtor de jardins de sonhos
Vou pois, aconchegar maresias aos mantos de hortênsias
Construir um lago com golfinhos sorridentes de chapéu de coco
Um bando de gaivotas vestidas de rosas breves
Um cavalo marinho a trote indicando o teu norte
Um banco de jardim com um cofre sentado
Onde guardo e te ofereço todos os meus secretos sonhos
Pintarei um coração apaixonado numa árvore
Neste jardim dos seis sentidos...


quinta-feira, 22 de junho de 2017

SOMEONE CAN FIND ME SOMEBODY TO LOVE


Não tenho muito lugar
Penso, isto é uma ilha
Sei que sou ilha
Não tenho na partida a cor da nostalgia
Se visse um barco vencer as rotas de solidão
Se visse um passaro vencer rotas novas
Gostava de dar um novo nome a cada voo
Para ti um prato tiritante de beijos
Uma carta onde lavro todos os meus ansejos
Um papagaio de papel de seda
Uma hortênsia no peito suave de uma dama
Na ilha as flores são pingos caídos do céu
O amor e a fé são cobertos por singelo véu
Destaparei teu rosto
Beijarei teus olhos
Dir-te-ei que sei amar com amor
Na singeleza do azul que veste uma flor
Como anjos transparentes
Como um sonho longo navegando contigo
“Não importa encontrar qualquer infinito”
E sem querer pintar uma tela de mágoas
Viverei num ninho sem maçãs e palavras amargas
Levarei ao teu rosto uma caricia sem sede
Pensando numa palavra ou em Deus
Na misterioso fia da cor
Como os pássaros que habitam a noite
Como o gesto de imenso pleno
Sussurrando...Meu amor...